Longevidade conquista-se com autocuidado

A expectativa de vida do brasileiro cresceu muito nas últimas décadas. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 1940 até hoje, 31 anos foram adicionados à expectativa de vida do cidadão. A estrutura da pirâmide etária da população brasileira está em processo de mudança e, até 2050, terá se alterado significativamente. Há 20 anos, para cada grupo de 100 crianças de 0 a 14 anos existiam 24,7 idosos de 65 anos ou mais. Em 2050, neste mesmo contexto, o cenário muda para 172,7 idosos, conforme os dados do IBGE.

Essa longevidade em massa da população é fruto de políticas públicas de saneamento, vacinação, avanço do saber médico e a conscientização da população sobre a necessidade de manter uma dieta saudável e evitar maus hábitos como o tabagismo.

É muito comum ouvir dos pacientes que até os 50 anos não sentiam nenhuma dor, porém ao completar 50 anos ou mais sentem que há uma virada de chave e as dores começam a surgir em várias partes do corpo como nos cotovelos, coluna, joelhos, punhos e ombros. A longevidade da população veio acompanhada de outros problemas e esses são fruto de uma geração fortemente impactada pela indústria farmacêutica que preferem usar paliativos como automedicação para aliviar a dor.

Antes de tudo, precisamos esclarecer que sentir dor não é normal, seja aos 5 anos ou seja aos 50. A dor é um sinal emitido pelo corpo, manifestando um problema, chamando a atenção do nosso sistema nervoso que aquele local carece de atenção. A dor no corpo pode ter diversas causas, podendo ser de origem traumática, degenerativa ou até mesmo de fundo emocional, mas aqui vamos abordar da dor mais comum em pacientes idosos, a dor decorrente da degeneração dos tendões.

A grande maioria da população hoje aos 50 anos é oriunda de uma cultura, na qual a atividade física regular não era vista como uma necessidade e muitos expressam com orgulho a ojeriza que sentem pela prática regular de atividade física. Essa é a população típica que manifesta as queixas de dor ao envelhecer, habitualmente com sobrepeso e lutam contra realizar atividades aeróbica ou com carga de forma regular, evoluem com sarcopenia – baixa massa muscular – e degeneração de seus tendões, que nada mais são que estruturas que necessitam de tração para se manter fortes e saudáveis.

Ninguém fica mais feliz com a baixa adesão dessa faixa populacional à atividade física regular do que as indústrias de medicamento, que enchem o bolso com pílulas sintomáticas, prometendo curar de inflamações ou suplementar colágeno em indivíduos que não estimulam o corpo a se manter ativo ou saudável.

A verdade é que a cura para as mais frequentes dores da velhice está na mudança de hábitos de vida, estimular seu corpo a melhorar a qualidade de seus tecidos com carga de forma regular. Apesar de mais difícil que tomar um comprimido, é mais eficaz e mais barato.

Então, o caminho para a longevidade é ainda a prevenção e o autocuidado. Por isso, não ignore as dores no corpo, não se automedique e cuide do seu corpo jovem para ter uma velhice saudável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Agende sua consulta!